Já expliquei aquí uma vez, que “em Portugal, a lei é muito forte para com os fracos e… muito fraca para com os fortes…”

Quase todos nós, pelo menos uma vez na nossa vida, ouvímos um funcionário público qualquer dizer – e com desprezo: “Não tenho nada a ver com o facto que o senhor/a senhora não sabia; todos os cidadões são obrigados a conhecer a lei!”

Agora são capazes de acrescentar: “…salvo o primeiro ministro, obviamente!”
Ah, muleque!